sexta-feira, 21 de julho de 2017

LANÇAMENTO DO LIVRO "AS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS E A ESCOLA" EM BRASÍLIA

Estarei lançando o livro "As Histórias em Quadrinhos e a Escola" durante o XXIX Simpósio Nacional de História da ANPUH, que vai acontecer em Brasília, semana que vem. 

Todos são bem-vindos!

domingo, 16 de julho de 2017

A VARÍOLA NA ZONA DA MATA: O CASO DE LEOPOLDINA

 "A Varíola- Fia-te na virgem e não corras". Rio de Janeiro. O Malho. Imagem disponível em: http://arch.coc.fiocruz.br/index.php/caricatura-campanha-contra-variola-variola-fia-tena-virgem-e-nao-corras-rio-de-janeiro-o-malho, acesso em 16 jul. 2017.
Uma doença cujos registros remontam à antiguidade, a varíola foi, até final do século XVIII responsável pela morte de um incontável número de pessoas. Calcula-se que apenas no XVIII, morreram na Europa, cerca de sessenta milhões de vítimas de varíola[1].  

Esta doença é considerada uma herança dos colonizadores europeus e teria chegado à América entre os anos de 1518 ou início de 1519. Mais tarde ela foi associada ao tráfico de escravos, dado o aumento dos casos da doença após o início do tráfico negreiro. Segundo Sidney Chalhoub, os escravos transportados em péssimas condições e debilitados fisicamente eram alvos fáceis da doença e a transmitiam aos brasileiros nas localidades onde desembarcavam.[2]

No Brasil, ela teve seu primeiro registro na Bahia, quando em 1561 teria chegado à capitania trazida pelos passageiros de um navio.[3] A doença se espalhou rapidamente causando cerca de trinta mil mortes. Como eram mais vulneráveis à doenças trazidas pelos europeus, os indígenas foram os mais afetados. Populações inteiras foram dizimadas pela moléstia[4].

Havia dois tipos de varíola, a varíola major, que possuía uma grande taxa de mortalidade, que podia chegar a 30% dos infectados, e a varíola minor, com uma taxa de mortalidade de até menos de 1%.[5] Embora este último tipo fosse mais brando, o simples fato de ser identificada uma manifestação da doença era motivo para que se instaurasse o pânico, o medo de uma epidemia.

O contágio ocorre através do suor e qualquer outro tipo de secreção expelida pelo doente. Nas senzalas, dada a aglomeração de escravos em péssimas condições de higiene, a proliferação da doença era rápida. Segundo Márcia Amantino, como não havia tratamento específico para a varíola a solução encontrada era isolar o doente, o que nem sempre funcionava, devido a precariedade com a qual a população escrava era alojada nas fazendas.[6]

Foi por meio de estudos sobre a varíola que, em 1796, surgiu a primeira vacina, criada pelo médico Edward Jenner[7]. No Brasil a vacinação contra a varíola foi introduzida já no final do século XVIII, embora que de forma irregular e com várias ressalvas, pois a população temia tomar a vacina, com medo de adquirir a doença. No século XIX foram feitas várias tentativas de se combater as frequentes epidemias de varíola, mas a aceitação da vacina, mesmo que com algumas ressalvas, ocorreria apenas no século XX[8].

Em Minas Gerais, o primeiro relato oficial de vacinação contra varíola data de 11 de novembro de 1805, em carta escrita pelo governador da capitania que mencionava a ordem régia solicitando empenho das autoridades coloniais na conscientização da população da capitania da importância da vacinação pra o combate da moléstia[9].

Entre os anos de 1873-1874, uma epidemia de varíola atingiu várias cidades mineiras, sendo a capital, Ouro Preto, uma das mais atingidas. Até março de 1875 haviam sido registrados em Ouro Preto 789 casos e 204 óbitos decorrentes da moléstia. A vacinação era realizada nas igrejas, nas câmaras municipais, nas sedes de fazendas espalhadas pelos municípios mineiros, mediante publicação de edital[10].

Os jornais ora tentavam aplacar os ânimos, desmentindo boatos sobre a presença da doença, ora alertavam sobre seus perigos. Foi caso do Pharol, jornal de Juiz de Fora, que trazia regularmente notícias sobre a propagação da varíola na Zona da Mata Mineira, em províncias e mesmo no exterior.

No final do ano de 1878, por exemplo, instalou-se o pânico no município de Juiz de Fora com a possibilidade da ocorrência e propagação de casos de varíola. O pânico era justificado pelo fato de que anos antes, de setembro de 1874 a fevereiro de 1875, a cidade de Juiz de Fora foi assolada pela doença, que em seis meses infectou cerca de 1000 pessoas e matou 135.[11] A tragédia ainda estava bem vívida na memória dos juizforanos. O Pharol publicou uma série de notas de esclarecimento buscando desmentir estes boatos.

Em outubro de 1882, correu em Leopoldina a falsa notícia de um surto de varíola, provocado por ocorrências da doença em outras localidades, como Alfenas, Viçosa e Paraíba do Sul. No caso de Alfenas, a intensidade da epidemia foi tamanha, que a população teria se refugiado no campo, para fugir da doença[12]. Em 1895, a simples suspeita de um caso da doença fez com que fosse destacada uma junta médica para e a emissão de um parecer oficial desmentindo o boato da possível contaminação.

Podemos afirmar ao público para sei tranquilidade que o boato de que havia um caso de varíola na cidade não passou de suspeita.

Tratava-se de um doente de cataporas, moléstia fácil de confundir-se com a varíola.

Publicamos o atestado dos médicos oficiais que confirma o que acabamos de dizer. Eis o atestado:

Atestamos sub Médici fide et jure jurando que não existe caso algum de varíola nesta cidade. O fato suspeito que nos foi indicado na Grama, é um caso de cataporas, sem importância alguma.

Leopoldina, 11 de outubro de 1895.
Dr. Joaquim Antônio Dutra.
Dr Ernesto de La-Cerda.[13]

A publicação de laudos médicos confirmando ou não os casos da doença era prática comum nos jornais, tanto como forma de acalmar a população, quanto como forma de proceder à prevenção e convocar a população para a vacinação contra a moléstia. Negar e certificar a ausência da doença era também uma questão de ordem econômica. Quando boatos se espalhavam, o fluxo de pessoas no comércio local diminuía, muitos deixavam de ir trabalhar, fábricas fecham suas portas, ocasionando prejuízos tanto para os comerciantes quanto para o município.

As cidades da Zona da Mata eram consideradas mais vulneráveis à doença devido à proximidade com o Rio de Janeiro, cidade constantemente assolada por epidemias de varíola durante o Império e a República. Em 1883, a preocupação com a proximidade de Juiz de Fora da Corte, tomada pela doença é expressa no apelo que o jornal faz à Câmara Municipal, pedindo providências para evitar uma possível epidemia.

Jornais da corte dão como assustadoras as proporções que tem tomado a varíola no município neutro. O hospital de Jurujuba, completamente cheio, não dá mais lugar a doentes.

A vista disso não seria tempo de olharmos nós – um pouco para nós mesmos, e tomarmos providências com o fim de evitar a propagação do mal nessa cidade?

A continua em fácil comunicação com a corte põe a epidemia à nossas portas. À câmara municipal pedimos toda a atenção para o assunto. [14]

Em 1894 foram abertos editais para a vacinação contra a varíola, onde a população era convidada a se apresentar para receber a vacina no consultório do delegado de higiene, dr. Ernerto de La Cerda, realizada “todos os domingos (...) das 11 horas ao meio dia, à rua do Cotegipe.”[15] Mas a grande dificuldade estava justamente em vencer a resistência da população em receber a vacina. Além da falta de estrutura administrativa levou-se ainda muito tempo para se superar o medo da vacina. “Essa postura era avaliada pelas autoridades como decorrência da ignorância popular, que impelia a atitudes irracionais e absurdas, como a das mães da cidade de Leopoldina, que escondiam as filhas debaixo da cama para escapar à vacina”[16].

No município de Leopoldina, em 1895, foi registrado um caso na fazenda Sabiá, prontamente comunicado pelo delegado de higiene ao Agente Executivo. Foi liberada uma nota à população avisando que já haviam sido tomas todas as providências para que a doença fosse contida.[17] Cerca de um mês depois foi anunciada a vacinação contra varíola da população do distrito de Conceição da Boa Vista.[18]

Mais de três décadas depois a região ainda não havia superado o medo da doença. Em 1927 um dos documentos que deveria ser apresentado, por exemplo, para matrícula de meninas na Escola Normal do Colégio Imaculada Conceição era o atestado de vacinação contra a varíola.[19]

Em julho de 1933, a Gazeta de Leopoldina, noticiava o crescimento dos casos de varíola em Caratinga e Ubá. Em outubro do mesmo ano a doença chegou a Muriaé[20]. A população foi convocada a se apresentar aos postos de vacinação. A vacina era, inclusive, aplicada nas escolas e nas fábricas, onde havia maior aglomerado de pessoas.

Um dos fatores apontados para a propagação da doença, desde fins do século XIX, era o transporte ferroviário. A ferrovia, assim como as naus que traziam os escravos contaminados, transportava não apenas pessoas e mercadorias, mas, também, doenças como a varíola. Locais onde havia um intenso movimento ferroviário eram considerados sujeitos ao contágio.

Como já noticiou este jornal, há casos de varíola em um município mineiro, que, se não fica próximo do nosso, tem este constante ligação, por estrada de ferro e de rodagem, que significaria séria ameaça para nós, se não fosse à boa vontade com que a nossa população procura prevenir-se contra o mal se vacinando, numa exata compreensão da eficiência desse meio preventivo.[21]

Outro problema era a disponibilidade da vacina nos postos de higiene. Além de poucos, eles não tinha capacidade para atender a toda a população do município que, segundo o jornal, era de 65.677, em 1933. A quantidade de linfas não era suficiente para atender nem a um terço desse número.[22] Pediu-se providências à Diretoria Geral da Saúde Pública e a cidade recebeu novas remessas de vacina. O jornal destacou o aumento da procura pela vacina pela população. Ela é aplicada, também, nos distritos, por farmacêuticos credenciados[23].

A varíola foi a primeira doença infecciosa extinta por meio da vacinação, mas deixou um legado de morte, devastando populações inteiras em todo o mundo. Em Leopoldina, embora não tenhamos em mãos dados relativos a uma possível epidemia da doença, ela não é de todo descartada. O município viveu, desde o início da sua ocupação surtos de sarampo, tido como responsável pela morte de boa parte da população de índios puris, febre amarela e tantas outras doenças infecciosas cuja ação foi registrada no Rio de Janeiro, em Juiz de Fora e Cataguases.




[1] REZENDE, JM. À sombra do plátano: crônicas de história da medicina [online]. São Paulo: Editora Unifesp, 2009. Varíola: uma doença extinta. p .227. Disponível em: http://books.scielo.org/id/8kf92/pdf/rezende-9788561673635-24.pdf , acesso em 14 jul. 2017.
[2] CHALHOUB, Sidney. Cidade Febrik: cortiços e epidemias na corte Imperial. São Paulo: Companhia das Letras, 1996, p. 109-110.
[3] SILVEIRA, Anny Jackeline Torres, MARQUES, Rita de Cássia. Sobre a varíola e as práticas da vacinação em Minas Gerais (Brasil) no século XIX. vol. 16, no.2,  Rio de Janeiro fev. 2011, p. 388. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v16n2/v16n2a03.pdf, acesso em 11 jul. 2017
[4] REZENDE, JM. Op. Cit., p .227.
[5] SILVEIRA, Anny Jackeline Torres, MARQUES, Rita de Cássia . Op. Cit., p. 390.
[6] AMANTINO, Marcia. OS escravos fugitivos em Minas Gerais e os anúncios do Jornal “O Universal”- 1825 a 1832. Locus Revista de História, 2° proS3:59 S3:59, 2008, p. 71/72. Disponível em: https://locus.ufjf.emnuvens.com.br/locus/article/viewFile/2698/2102, acesso em 15 jul. 2017.
[7] REZENDE, JM. Op. Cit., p. 229.
[8] REZENDE, JM. Op. Cit., p.230.
[9] SILVEIRA, Anny Jackeline Torres, MARQUES, Rita de Cássia. Op. Cit. p. 390.
[10] Idem,  p. 391.
[11] SILVEIRA, Anny Jackeline Torres . Epidemias, estado e sociedade: Minas Gerais na segunda metade do século XIX, Dynamis 2011; 31 (1): 41-63 p.47.
[12] O Leopoldinense. Leopoldina, 07 de janeiro de 1882, ano IV, n. 02, p. 02.
[13] O Leopoldinense. Leopoldina, 13 de outubro de 1895, n. 70, ano XVI, p. 02.
[14] Pharol. Juiz de Fora, 10 de julho e 1883, ano XVII, n. 75 , p. 01
[15] O Leopoldinense. Leopoldina,04 de novembro de 1894, ano XV, n, 25, p. 03.
[16] SILVEIRA, Anny Jackeline Torres, MARQUES, Rita de Cássia. Op. Cit., p. 393.
[17] O Leopoldinense. Leopoldina, 03 de novembro de 1895, n. 73, ano XVI, p. 01.
[18] O Leopoldinense. Leopoldina, 01 dezembro de 1895, n. 77, ano XVI, p. 03.
[19] Gazeta de Leopoldina. Leopoldina, 13 de fevereiro de 1927, n. 21, na XXXII, p. 04.
[20] Gazeta de Leopoldina. Leopoldina, 8 de outubro de 1933, n. 138, ano XXXIX p. 01
[21] Gazeta de Leopoldina, 15 de julho de 1933ano XXXIX, n. 72,  p. 01.
[22] Gazeta de Leopoldina. Leopoldina, 27 de julho de 1933, n. 82, ano XXXIX p. 01.
[23] Gazeta de Leopoldina. Leopoldina, 30 de julho de 1933, n. 85, ano XXXIX p. 01

sábado, 15 de julho de 2017

VISITE A PÁGINA DO LIVRO "AS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS E A ESCOLA" NO FACEBOOK


Criei uma página no facebook para meu último livro, "As História em Quadrinhos e a Escola: práticas que ultrapassam fronteiras". Lá vou colocar notícias sobre ele, receber encomendas e quem quiser poderá deixar seus comentários. 

Para conferir é só clicar aqui!

segunda-feira, 10 de julho de 2017

1933 - COMO SURGIU A IDEIA DA PRIMEIRA EXPOSIÇÃO AGROPECUÁRIA DE LEOPOLDINA

Antigo parque de Exposições de Leopoldina.
A ideia da primeira Exposição Agropecuária e Industrial de Leopoldina nasceu em 1933, três anos antes da primeira exposição realizada pela Coopleste, que em 2017 está na sua 81ª edição. Foi uma iniciativa da Gazeta de Leopoldina, na época dirigida pelo Dr. José Monteiro Ribeiro Junqueira, empresário e político local.

Dentro do contexto vivido pelo Brasil, de crise da lavoura cafeeira, a ideia de uma exposição surge como uma forma de valorizar o produtor local e incentivar outros tipos de atividades agrícolas. Afinal, a diversificação das atividades econômicas era, naquele momento uma forma de minimizar os efeitos da queda vertiginosa dos preços do café e o fim do domínio político das oligarquias cafeeiras.  

Segundo a Gazeta de Leopoldina

“O lavrador Leopoldinense, na sua grande modéstia, honraria qualquer certame a que concorresse. É inteligente e trabalhador e os nossos campos feracíssimos. Produzimos de tudo e bom. Numa Exposição Leopoldinense, a seção de produtos agrícolas poderá ser uma verdadeira maravilha, o mesmo aconteceria com a nossa pecuária.[1]

Aliás, a “demasiada modéstia de seu povo” é considerada por Agostinho Marciano d’ Oliveira, bacharel de direito e técnico da lavoura, que cumprimenta a Gazeta pela ideia de exposição em nota publicada naquele jornal, a explicação para um município dos mais ricos permanecer na penumbra[2].

Segunda Gazeta, todos deveriam ser contemplados, do pequeno ao grande produtor. Mas o café, nesta época, ainda aparece em lugar de destaque.

"O nosso município produz, me média, 100.000 sacas de café e é preciso que se consiga pelo menos 30% de cafés "doces". Estamos certos de que o Departamento técnico fará também o seu mostruário facilitando o paralelo e o conhecimento da cor, aspecto e seca mais preferidos"[3]

É bom esclarecer que em meio à crise provocada pela quebra da bolsa de valores de Nova York, em 1929, a já abalada produção cafeeira foi duramente afetada. Mas nem produtores, nem o próprio governo, desistiram do café. Ele ainda era um produto importante e todo o esforço foi realizado para se salvar a produção. Tanto que até inícios dos anos de 1950 a lavoura cafeeira ainda resistia em Leopoldina.

A Gazeta fala de outras culturas, como o milho "o mais popular e indispensável dos nossos cereais,"[4] e que aparece com sendo um dos produtos mais exportados pelo município. Fala-se ainda do arroz, do feijão, da cana, da mandioca, usada na fabricação de polvilho e da produção de fumo, com destaque par ao município de Tebas.

"Ao distrito de Tebas caberá papel importante, expondo o seu famoso fumo, quer preparado, quer em suas belíssimas folhas, assim como mel que se extrai desse fumo, destinado a ser um dos mais belos inseticidas.[5]"

A matéria ainda enaltece a prática da horticultura, da citricultura e pecuária. A Gazeta fala ainda das "promissoras indústrias" locais.  A economia Leopoldinense é enaltecida e há um discurso otimista com relação ao seu crescimento e desenvolvimento. De fato, este discurso é corrente na época e serve como norte para que os municípios possam estabelecer estratégias para minimizar os efeitos da crise dos anos de 1930. Afinal, segundo a Gazeta de Leopoldina, “nosso município é apontado como terra de ordem, da paz e do trabalho”[6]


[1] GAZETA DE Leopoldina. Leopoldina, 20 de julho de 1933, ano XXXIX,  n. 76, p. 01
[2] GAZETA DE Leopoldina. Leopoldina, 19 de julho de 1933, ano XXXIX , n. 75, p. 01
[3] GAZETA DE Leopoldina. Leopoldina, 22 de julho de 1933, ano XXXIX , n. 78, p. 01.
[4] Idem.
[5] Idem.
[6] GAZETA DE Leopoldina. Leopoldina, 20 de julho de 1933, ano XXXIX,  n. 76, p. 01


sábado, 8 de julho de 2017

ESPECIALIZAÇÃO EM LEITURA E LITERATURA INFANTIL E JUVENIL


Curso de especialização (pós-graduação lato sensu) sobre Leitura e Literatura infantil e Juvenil. Ótima oportunidade para professores da educação básica, de modo geral, e para outros profissionais que trabalham com leitura e cultura. E as aulas são apenas aos sábados.

E os professores são ótimos: Alexandre Damascena, Ana Letícia Leal, Antonella Flavia Catinari, Cintia Barreto, Celso Sisto, Cris Madanelo, Georgina Martins, Hellenice Ferreira, José Prado, Leandro Rodrigues, Leonor Werneck Dos Santos, Luciana Bastos Figueiredo, Maximiliano Torres, Mônica Amim e Thais Linhares.

As inscrições vão até 29/07/2017 e as aulas começam no dia 05/08/2017. Os contatos estão no folder.

Local: Universidade Católica de Petrópolis - Petrópolis - RJ.